Governo e estudantes se mobilizam para ampliar a oferta de produtos da agricultura familiar nas escolas estaduais

Ampliar o fornecimento de alimentos da agricultura familiar para a alimentação escolar é uma meta dos gestores estaduais e também uma preocupação da sociedade civil. Para incentivar a ação, as secretarias estaduais de Desenvolvimento Rural (SDR) e da Educação, estão promovendo oficinas sobre compras institucionais, por toda a Bahia, para discutir o tema.

A estratégia de implementação da política de comercialização dos produtos, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), já foi apresentada em cinco Territórios de Identidade e chega aos Territórios Sertão Produtivo, no município de Brumado, no dia 23 de abril, e na Bacia do Rio Corrente, em Santa Maria da Vitória, no dia 29 de abril.

A diretora de Agregação de Valor e Acesso a Mercado da Superintendência da Agricultura Familiar (SUAF/SDR), Elisabete Costa, responsável pela ação, destaca que a inserção desses produtos nas escolas será ampliada: “Com isso, estaremos fornecendo alimentação saudável para crianças e jovens das escolas públicas e dando oportunidade de criação de emprego e renda, fortalecendo as organizações que atuam junto à agricultura familiar”.

O empenho em sensibilizar os municípios baianos sobre a importância de uma alimentação de qualidade na rede estadual de ensino é uma preocupação também de estudantes, a exemplo de Graciele Santos de Oliveira, Fabiana da Silva do Carmo e Vanessa da Paz da Silva, do Colégio Estadual Manoel Benedito Mascarenhas, do município de Muritiba. Com esse propósito, eles apresentaram um trabalho com o tema Uma nova proposta de merenda escolar: Formação de cooperativa priorizando a agricultura familiar e ganharam o primeiro lugar no prêmio Jovem na Ciência, na modalidade Vida de Jovem Cientista.

Segundo Graciele, o grupo pretende levar esse projeto a outras instituições de ensino para esclarecer ao corpo estudantil o funcionamento da alimentação escolar e o que poderia ser feito para melhorar: “Queremos que mais medidas possam ser tomadas para que a agricultura familiar seja priorizada. Isso geraria lucros para todos os envolvidos, escola, comunidade e governo. Nossa expectativa é que exista a valorização local da agricultura familiar com a formação de cooperativa e que as escolas possam proporcionar aos estudantes alimentos saudáveis, que a própria região pode oferecer: “Nesse processo possa haver ganhos, como um cardápio mais viável financeiramente e a alimentação saudável entre os jovens”.

Premiação

O Prêmio Jovem Cientista é uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), primeira instituição federal de fomento à ciência, tecnologia e inovação e pioneira na concessão de prêmios no Brasil, que visa revelar talentos, impulsionar a pesquisa no país e investir em estudantes e jovens pesquisadores que procuram inovar na solução dos desafios da sociedade.

ImprimirPDF
Compartilhe: