A luta por direitos ainda marca os povos indígenas, que celebram, nesta sexta-feira (19), o Dia do Índio.  Na Bahia, para assegurar os direitos dos povos indígenas, o Governo do Estado está investindo em ações que incluem projetos socioambientais, de apoio a cadeias produtivas, como as da apicultura, piscicultura, bovinocultura, caprinovicultura e fruticultura, entre outras, além de capacitações e apoio à gestão dos empreendimentos.

Na Bahia, a regularização fundiária garante aos projetos de energia eólica a participação nos leilões de energia e a comercialização no mercado livre. De 2016 a 2018, o Governo do Estado emitiu cerca de 200 títulos de terras e mais de 110 áreas arrecadadas em 16 municípios, o que beneficiou sete empresas que atuam neste segmento. Outros 277 processos estão em tramitação.

Cerca de 80 famílias da comunidade quilombola de Mari, no município de Palmas de Monte Alto, no Território Sertão Produtivo, foram beneficiadas com entregas, no valor de R$861,7 mil, para fortalecer a caprinovinocultura local.

 

Às vésperas da festa da Páscoa, um dos produtos que mais se destacam é o delicioso chocolate, alimento secular, produzido a partir da amêndoa do cacau, que vem passando, ao longo dos anos, por sucessivos aprimoramentos, tanto na base de produção, quanto no beneficiamento.  Na Bahia, segundo dados do Censo Agropecuário do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (

Representantes da Subway, rede norte-americana de restaurantes fast food, e do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), acompanhados de técnicos do Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), estiveram, nesta quarta-feira (17), nos municípios de Pindobaçu e Senhor do Bonfim, dando continuidade às

O Governo do Estado autorizou, nesta quarta-feira (17), investimentos de R$1,8 milhão para a agricultura familiar do município de Marcionílio Souza, no Território Chapada Diamantina. As ações serão executadas pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), no âmbito do projeto Bahia Produtiva, com recursos do Banco Mundial.

A pesca artesanal, piscicultura e aquicultura vêm despontado com uma alternativa de renda para mais de 7 mil agricultores familiares baianos.